sexta-feira, 20 de abril de 2018

Mesmo sem recursos, entidades afro desfilarão na micareta de Feira de Santana 2018

"Persistir, resistir e não desistir"

Com essa frase, cerca de 20 entidades afro, desfilarão na micareta de Feira de Santana no sábado(21/04), penúltimo dia da festa. Após inúmeras reuniões, todas sem exito, de tentar a flexibilização da secretaria de cultura de Feira em relação as entidades afro local, para viabilizar recursos financeiros, aproximadamente 20 entidades ( Blocos Afro, Afoxés e Escolas de Samba) irão realizar seus desfiles por conta própria já que devido a problemas na prestação de contas de 2017, onde uma associação que celebrou convenio com a prefeitura não apresentou em tempo hábil, impossibilitando assim o poder publico de renovar esse convenio. Tais entidades reuniram-se e decidiram arcar com as despesas e manter o desfile que é tradicional na micareta de Feira e a historia diz que essa grandiosa festa foi originada dessas agremiações, que faziam a alegria do folião de rua(pipoca), já que no inicio, a festa era elitizada nos grandes clubes e para poucos. Para a maioria dos dirigentes das entidades, não houve sensibilização da prefeitura no sentido de ajudar essas agremiações que oferecem o diferencial na micareta já que Feira de Santana é a unica cidade na Bahia, depois da capital Salvador, que mantém a cultura de matriz africana na festa momesca, porém o poder publico não enxerga isso como positivo e procura de todas as formas reduzir o espaço que já é pequeno dessas entidades, diz um dos representantes do movimento, ainda segundo ele, na ultima reunião com a secretaria de cultura do município ficou claro que não há interesse nessa tradição, pois as entidades se comprometeram a manter o circuito quilombola, mas a proposta foi rejeitada, segundo o secretario de cultura do município, não havia possibilidade de oferecer os equipamentos no circuito, já que não foi realizada licitação para esses equipamentos, sem contar que não haveria policiamento disponível para tal. 
Não podíamos ficar de fora, pois pra muitas entidades, a micareta é o momento máximo, onde se mostra o trabalho que algumas entidades realizam durante o ano e correríamos o risco de perder definitivamente o espaço que conquistamos com muito suor, por isso aceitamos desfilar em um horário impraticável que nos foi oferecido, diz outro dirigente. A secretaria disponibilizou o horário das 09h ás 12h no sábado e no domingo, para todos, esse horário é inviável por não apresentar publico, não vai haver visibilidade diz o dirigente, mas como foi colocado, ou esse horário ou ficar de fora, concluiu o mesmo. O secretario de cultura, por diversas vezes, alegou que a culpa não era do município e sim da entidade que foi escolhida para liderar as demais, porém não vimos em momento algum um esforço daquela secretaria no sentido de amenizar a situação e dar continuidade a uma tradição de quase um século.
Foi dito na reunião que a prefeitura não iria disponibilizar absolutamente nada para ajudar nos desfiles, que apenas o circuito Maneca Ferreira estaria livre para a cultura de matriz africana e somente nos horários pré-estabelecido. Confirmando assim, o descaso com essa cultura tão rica e que é a origem de tudo. Algumas entidades que irão desfilar serão contempladas com o PROGRAMA OURO NEGRO do governo do estado, porém o que também é de se lamentar é que esse programa que viabiliza verba para essas entidades só as contemplam com sessenta dias após a micareta o que dificulta muito a aquisição de materiais e contratação de profissionais para apresentações, porém para as entidades contempladas ainda é um alento terem esses recursos, mesmo que tardio. Mas, infelizmente outras agremiações não foram aprovadas no edital ouro negro, ficando assim sem a verba do município e sem a verba do estado o que forçou há algumas delas a desistirem do desfile o que poderá ser prejudicial no futuro.

O Grupo Cultural Moviafro é solidário com todas as entidades que indiretamente estão sendo penalizadas e independente de quem errou se coloca a disposição para o fortalecimento desse grupo que como foi dito no inicio da matéria, são as raízes dessa festa.

sábado, 24 de março de 2018

"Não são mulheres apenas em março, nem pretas só em novembro"


Esta afirmação lapidar, expressa pela jornalista baiana Rita Batista, num programa radiofônico na cidade de Salvador, esta semana, calou fundo na minha consciência, neste mês de celebrações sobre as mulheres , em verdade a frase é um alerta importante para que não nos bastemos com os lugares simbólicos da luta contra as discriminações, sejam elas de que modo for. claro que celebrar o 8 de março é importantíssimo, do mesmo modo que celebrar o 20 de novembro - dia nacional da consciência negra. Mas, precisamos bem mais que isto.
Os estudos, as pesquisas, as estatísticas e tudo o mais que fizermos para identificação do grau de discriminação, exclusão e/ou violência das quais as mulheres são vitimas cotidianamente no mundo inteiro, exigem que seu enfrentamento ocorra também no dia a dia e não apenas em momentos convenientemente reservados pela mídia para tratamento especial. E no casos das mulheres negras, temos que ter um olhar mais do que especial - afinal elas foram as vitimas maiores durante a escravidão, onde seus corpos e mentes foram violentados cotidianamente, por aqueles que lhes surrupiaram a liberdade.
É impressionante como as sociedades, sejam elas europeias, africanas asiáticas ou americanas possuem ou desenvolveram mecanismos extremamente cruéis no tratamento com as mulheres. seja na mutilação sexual, no casamento infantil, nos estupros coletivos, na violência doméstica, na dupla ou tripla jornada de trabalho, nos espaços segregados e até mesmo nos espaços religiosos, as sociedades humanas quase sempre encontram justificativas para que as mulheres sejam discriminadas, excluídas, ou violentadas. Não há um só segmento social que escape dessa mazela, seja rico ou pobre, preto ou ranco, intelectual ou ignorante, todos ou quase todos de alguma forma tem sido coniventes com as praticas mais vergonhosas contra as mulheres.
É bem verdade que tivemos avanços importantes em determinadas sociedades, notadamente no campo ocidental e que as mulheres tem lutado bravamente em defesa dos seus direitos mais elementares. Mas ainda assim, estamos muito longe daquilo que poderíamos chamar de comportamento civilizado e igualitário na relação com as mulheres. Há um quê de conivência, de comodidade, de conservadorismo, em particular nos circuitos do poder, que mesmo quando existem mecanismos disponíveis para coibir-se ou punir-se estas praticas criminosas a sua implementação ainda assim é difícil e obstacularizada.
Vejam o caso brasileiro, da lei Maria da Penha que está completando doze anos de existência. Em que pese a concordância de todos sobre a sua justeza, ainda assim, tem encontrado resistências na sua aplicação até mesmo no setor judiciário. Alguns afirmam que estas praticas contra as mulheres é uma tradição cultural, outros que está assentada em fundamentos religiosos(notadamente os evangélicos) e outros tantos legislam em causa própria, pois caso aplicassem a lei, seriam seus próprios algozes.
Enfim, é fundamental que a sociedade brasileira como um todo e não apenas as mulheres, adote urgentemente medidas, ações e legislações que não apenas protejam as mulheres dessa violência generalizada, mas que assegurem o direito pleno delas serem tratadas com respeito e dignidade.
Afinal, é isto que esperamos de qualquer sociedade que pretenda ser chamada minimamente de civilizada.

quinta-feira, 22 de março de 2018

São conhecidas as finalistas do 2º Concurso Miss Afro Feira de Santana

Na manhã do ultimo domingo (18/03), foram selecionadas as 15 finalistas do Miss Afro Feira de Santana 2018. Após duas eliminatórias bastante concorridas, já que foram 123 candidatas inscritas, numero recorde em eventos de beleza negra, superando inclusive a quantidade de inscritas do concurso que elege a Deusa do Ébano (Ilê Ayiê) em Salvador, que foram 116. Segundo Val Conceição, coordenador geral do evento e do COLETIVO MOVIAFRO que realiza o concurso pelo segundo ano consecutivo, a seleção foi extremamente difícil, pois selecionar apenas 15 num universo de 123 mulheres negras empoderadas e super conscientizadas não é tarefa facil.
Foram utilizados critérios incomuns para um evento de beleza, até porque o Concurso Miss Afro Feira de Santana não é considerado apenas um evento que busca a beleza plastica, é mais que isso, o objetivo do miss afro é conscientizar essas mulheres que sofrem com o racismo, o preconceito, a falta de espaço no mercado de trabalho, além de elevar a autoestima delas. Durante todas as etapas do concurso são ministradas palestras, rodas de conversas, oficinas de formação e aplicado questionários com assuntos relacionados a cultura afrodescendente como também a historia do povo negro no Brasil. As notas desses questionários são agregadas as notas do desfile onde  uma comissão julgadora formada por pessoas ligadas as áreas de cultura, jornalismo, direito, psicologia, dança e moda avaliam o desempenho de cada uma. Já no primeiro encontro que foi realizado no mês de março, houve uma grande roda de conversa com personalidades negras feirenses onde foi mostrado para as candidatas entre outras coisas, a importância do evento para a comunidade afro de Feira de Santana. 
Na primeira eliminatória foram selecionadas 42 candidatas, que passaram uma semana se preparando até chegar a semifinal que foi disputadíssima, a diferença de pontos de uma para outra foi minima e no resultado final houveram alguns empates que foram resolvidos utilizando o primeiro critério de desempate que é a nota do questionário.


A grande final do 2º Miss Afro Feira de Santana 2018, será realizada no próximo dia 13 de Abril(Sexta-Feira) ás 18h no CUCA - Centro Universitário de Cultura e Arte, a entrada é franca. Além do desfile com as candidatas que será em dois trajes, haverá também apresentação de Dança Afro, Pocket Show de Reggae, Recital de Poesias Africanas, Exposições de Roupas Afro e o encerramento será por conta da Banda Afro Lua Negra. Estima-se que um grande numero de pessoas estarão na plateia torcendo pela candidata de sua preferencia, mas ainda segundo Val Conceição, teremos a oportunidade de mostrar a esse mesmo publico os frutos do trabalho que o  COLETIVO MOVIAFRO vem desenvolvendo no nosso município ao longo do ano.
Essas são, as 15 candidatas ao titulo de Miss Afro Feira de Santana 2018.

AMANDA DE ALMEIDA

MICHELLY PHAYFFA

ANA PAULA ALVES

 TATIANA CARDOSO

MARESSA FERREIRA

VANDRIANE RIBEIRO

LAVÍNIA NASCIMENTO

VITORIA LAINY

ANA KAROLINE BARBOSA

ANTONIETA PERES

VANESSA CARVALHO

ALINE DALTRO

MAIANNA COUTO

ROSIDALVA DE ARAUJO

NATALICE DIAS

 O GRUPO CULTURAL MOVIAFRO agradece a todas as participantes que acreditaram e confiaram nesse projeto e deseja boa sorte a todas as finalistas. Axé

Fotos: Ana Paula Peres
            Antonio Magalhães

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

2º Concurso Miss Afro Feira de Santana 2018 encerra inscrições com numero recorde de participantes.

Com 123 candidatas, foram encerradas na ultima sexta-feira(23), as inscrições para o 2º Concurso Miss Afro Feira de Santana 2018. Realizado pelo Grupo Cultural Moviafro e Bloco Afro Cultural Império Africano, contando com o apoio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, o 2º Miss Afro superou todas as expectativas na sua primeira etapa. Segundo Val Conceição que é o coordenador geral do Moviafro já era esperado uma grande quantidade de inscritas, até mesmo porque o ano passado já houve uma procura considerável, porém não imaginávamos que passaríamos de 100 candidatas. É muito gratificante para nós do MOVIAFRO/IMPÉRIO AFRICANO termos o nosso trabalho reconhecido, isso nos dá a certeza de que estamos no caminho certo e nos dá também mais força para continuar, disse o coordenador. Já no domingo(25), houve o primeiro encontro com a coordenação do evento e as candidatas, onde foi realizado rodas de conversa sobre o tema do concurso 2018, que é:

EMPODERAMENTO - CONSCIENTIZAÇÃO - BELEZA

A roda de conversa contou com as presença de personalidades negras de Feira de Santana como LEON VANDERLEY, jornalista - CARMEN SILVA, dançarina, VERÔNICA SANTOS, psicologa
JACY SILVA, designer de cabelos - JUSTINO JUNIOR, ativista cultural - ADÃO FERREIRA, turbanista e LUCIANA NASCIMENTO, mestra em educação. Além de VIVIANE SORRISO, maquiadora e MARCOS TANFERI, coreografo. Pessoas que devido as suas historias de vida, tornaram-se referencia no movimento afro da nossa cidade que desenvolveram uma dinâmica com as candidatas onde a participação delas foi algo que abrilhantou ainda mais o evento.




Foi também entregue as participantes, o regulamento do concurso, onde todas foram orientadas a ler e se necessário discuti-lo. Antes disso porém, foi servido um delicioso café da manhã regional para todos os presentes. Nos dias 26 e 27 de fevereiro e de 01 a 09 de março, serão realizados ensaios e rodas de conversa, essa será uma espécie de preparação para a etapa eliminatória que ocorrerá no dia 11 de março ás 09, 11, 13, 15 e 17 horas no Mercado de Arte Popular. Disse, Marcos Tanferi coordenador coreografo do MOVIAFRO, ele disse também que durante todo o processo serão realizados fóruns num grupo criado exclusivamente com as candidatas para assuntos relacionados ao concurso e haverá também a aplicação de alguns questionários que tem o objetivo de propiciar mais conhecimento para elas. E de certa forma, indicar aquelas que realmente estão antenadas com as questões afrodescendentes. A grande final do 2º Concurso Miss Afro Feira de Santana 2018, será realizada em 13 de Abril(sexta-feira), ás 18 horas no CUCA - Centro Universitário de Cultura e Arte com entrada franca.





sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Ultima semana para inscrever-se no 2º Concurso Miss Afro Feira de Santana

As inscrições para o 2º Concurso Miss Afro Feira de Santana 2018, estão na reta final. A quase um mês foram abertas e estão tendo uma média de 3 por dia. Contando os sábados, domingos e feriados. A perspectiva dos organizadores é de 100 candidatas inscritas até o dia 23 de fevereiro que impreterivelmente serão encerradas. O Miss Afro é uma idealização do GRUPO CULTURAL MOVIAFRO e será pelo segundo ano consecutivo realizado também pelo MOVIAFRO. O coordenador coreografo Marcos Tanferi, está entusiasmado com a procura que segundo ele, tem sido maior do que o ano passado. Será muito difícil selecionar apenas 12 finalistas pois todas reúnem os requisitos necessários para se tornarem a Miss Afro 2018, porém é o que diz o regulamento e temos que segui-lo, disse o professor de educação física e dançarino.
A segunda etapa do concurso, começa no dia 25/02(domingo) ás 08:30h da manhã no Mercado de Arte Popular onde haverá uma roda de conversa com os membros da coordenação, apresentação das candidatas, sessão de fotos e também será servido um delicioso café da manhã regional. O coordenador geral do Moviafro, Val Conceição, disse que esse ano está tendo um maior apoio da mídia, principalmente o programa ACORDA CIDADE da Rádio Sociedade de Feira de Santana, através da jornalista Orisa Gomes e que tem a frente o âncora Dílton Coutinho que quase diariamente tem divulgado as inscrições, além de ter publicado no site do programa uma ampla reportagem sobre o concurso. A Secom, Secretaria de Comunicação do município de Feira de Santana, também está apoiando o nosso evento fazendo a divulgação no site e em atividades culturais da prefeitura, além do jornalista Leon Vanderley que também está colaborando na divulgação. Nessa segunda etapa, as candidatas irão passar por oficinas de formação, Técnica em Maquiagem para peles negras, Rodas de Conversas com Psicologa, Socióloga e Historiadora além de ensaios. Irão também passar por uma avaliação intelectual através de um questionário relacionado a assuntos afrodescendentes que ainda segundo Val Conceição irá influenciar diretamente no resultado das eliminatórias, que será realizada no dia 18 de Março, também no mercado de arte.
Para Jacy Silva, coordenadora de Operações do GRUPO CULTURAL MOVIAFRO, o Concurso Miss Afro Feira de Santana já está consolidado como o mais importante evento da cultura afrodescendente do nosso município e em breve se tornará o mais importante da região. A final do 2º Miss Afro Feira de Santana, será realizada no dia 13 de Abril de 2018, no Centro Universitário de Cultura e Arte.( CUCA ).

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

A que ponto, pode chegar a Intolerância ?

No minimo indignante, um fato que ocorreu hoje(31), no Mercado de Arte Popular em Feira de Santana/BA. Local que deveria ser reduto de artistas dos mais variados gêneros mas que infelizmente e erroneamente abriga também seres humanos que insistem em praticar o preconceito em todas as suas formas. Um garoto de apenas nove anos, que desde o seu nascimento, traz no sangue a sua vocação para a musica percussiva, que já teve inclusive a oportunidade de se apresentar com músicos e bandas de renome internacional como: Timbalada, Carlinhos Brown, Paula Sanffer, Denny Denan entre outros e tornou-se referencia entre jovens e velhos percussionistas da nossa cidade, foi chamado por um comerciante do Mercado de Arte Popular, comerciante esse que por coincidência ou não já tem um histórico de intolerância religiosa e cultural que lhe disse o seguinte:
".....esqueça essa coisa de bater tambor, ser percussionista não vai te levar a nada, você tem que estudar e não ficar perdendo o seu tempo com esse tipo de coisa, fazendo "zuada" e incomodando os outros". bastante chateado o garoto imediatamente procurou o seu mestre" a quem chama de pai" e com os olhos marejados e a voz embargada, relatou o ocorrido. Será que essa pessoa nunca ouviu falar de Antonio Carlos Santos de Freitas e o seu projeto PRACATUM, projetos como o NEOJIBÁ, POMBA ERÊ CURUMIM, CORAÇÃO BRASILEIRO, AFRO REGGAE entre outros? Será que essa pessoa não sabe que milhares de crianças são resgatadas do sub-mundo das drogas através da musica percussiva? Até quando iremos nos calar diante de situações como esta? Como deve ser o presente e como será o futuro dos filhos dessa pessoa? Futuros intolerantes?

Será que uma criança que nasce com o dom divino de tocar um instrumento não pode exercitar esse dom? ATÉ QUE PONTO PODE CHEGAR A IGNORÂNCIA HUMANA?

O Coletivo Moviafro é extremamente contra a toda e qualquer forma de preconceito, intolerância e discriminação.

Com a palavra, as Autoridades e os Órgãos Competentes!!!!!

Por Val Conceição

sábado, 27 de janeiro de 2018

Estão a todo vapor as inscrições para o 2º Concurso Miss Afro de Feira de Santana



Desde a ultima segunda-feira(22), que foram iniciadas as inscrições para o 2º Concurso Miss Afro de Feira de Santana e surpreendentemente foram realizadas um numero altíssimo de inscrições só no primeiro dia, o que confirma a importância e a dimensão que este evento vem tendo desde a sua primeira edição em 2017. As candidatas já inscritas, não escondem a ansiedade e a alegria em estarem participando de um evento como esse, pois segundo uma delas, Feira de Santana está se equiparando com a capital Salvador em relação a realização de eventos que tem como objetivo principal o empoderamento e a conscientização da mulher negra. 
Onde aquelas mulheres que se reconhecem como negras tinham que se deslocar até a capital para participarem de eventos não só como esse mais outros que envolvem essa discussão, pelo fato de Feira de Santana não realizar nada semelhante e que agora ela se sentia contemplada com o Coletivo Moviafro. O Coordenador do Coletivo Moviafro, Val Conceição, disse que o coletivo está conseguindo atrair mais adeptos, negros e negras que estavam ansiosos por eventos desse porte aqui na nossa cidade.
Esperamos ao final das inscrições termos uma media de 100 inscritas o que com certeza irá chamar a atenção da sociedade para o nosso coletivo, pois Feira de Santana e região tem muitas negras que precisam se conscientizar e se posicionar em relação as suas origens,suas raízes, elas precisam se conhecerem e se reconhecerem aí sim, teremos em um futuro bem próximo, mais mulheres negras conhecedoras de todos os seus direitos e lutando por eles. Disse...

As inscrições do 2º Miss Afro de Feira de Santana, vai até o dia 23 de fevereiro e está sendo realizada no Mercado de Arte Popular. No ato da inscrição as interessadas devem estar munidas de RG, CPF, Comprovante de residência e efetuarem uma doação de 03 brinquedos novos que é a taxa social. A idade minima é de 16 anos, sendo que entre 16 e 17 anos deverão estar acompanhadas de pai, mãe ou responsável legal.
Haverá durante o período de preparação das candidatas varias atividades, como: Rodas de Conversas, Palestras, Seminários, Oficinas de dança e de formação intelectual com profissionais especializados nas áreas de Direito, Sociologia, Historia, Dança entre outras.
A grande final, será realizada no dia 13 de Abril, a partir das 19h em local que será definido em breve. 
Além de brindes que serão oferecidos, haverá uma premiação em dinheiro que será entregue imediatamente após o anuncio do resultado nos valores de R$ 1.500,00/R$ 1.000,00 e R$ 500,00 para a 1ª, 2 e 3ª colocada respectivamente. Haverá também uma premiação de vários brindes para a Miss Simpatia que será escolhida pelas próprias finalistas.